segunda-feira, 9 de junho de 2014

SACRIFÍCIO (IMOLAÇÃO) ANIMAL

O material abaixo foi retirado da página do Facebook, do Centro Umbandista Caboclo das Sete Estrelas e Rei da Mata Virgem. Se trata de um assunto polêmico nas religiões de matriz africanas, ficando opiniões a critério de cada leitor, sendo todas elas dignas de nosso maior respeito.
Da mesma maneira, deixamos claro que não expressando a opinião da Tenda de Umbanda Xangô 7 Raios quanto ao assunto, colocamos aqui o mesmo com a intenção de esclarecer e levar o leitor amigo a reflexão sobre o assunto. Boa leitura.



O sacrifício animal é algo milenar que se faz presente nos cultos religiosos e em nossas mesas até os dias de hoje.
Sacrifício é a prática de oferecer alimento, ou a vida de animais ou pessoas, às divindades, como forma de culto.

O termo deriva dos radicais ‘sacro' e ‘oficio', ou seja, oficio sagrado.
Os motivos para a prática de sacrifícios são variáveis, conforme o sistema de crenças de cada religião.
Em algumas religiões, a palavra utilizada para sacrifício está associada à palavra "aproximação", pois acreditava-se que o sacrifício aproximava o devoto de sua divindade.

Alguns povos no passado acreditavam que parte do poder dos deuses só podia ser conservada à custa de constantes sacrifícios.
Outros acreditavam que os sacrifícios não interferiam no poder dos deuses, mas sim os agradavam, de forma que colocavam o devoto em posição de negociar algum favor.

Havia também sacrifícios para aplacar a ira dos deuses.
O homem primitivo não compreendia Deus como sendo a fonte da bondade.
A matéria sobrepunha-se ao Espírito; eles se entregavam aos instintos animais e por isso eram geralmente cruéis, pois o senso moral ainda não se encontrava desenvolvido.

Os homens primitivos deviam crer naturalmente que uma criatura “viva” teria muito mais valor aos olhos de Deus que um corpo material morto.
Foi isso que os levou a sacrificar primeiramente animais e mais tarde criaturas humanas, pois, segundo sua falsa crença, pensavam que o valor do sacrifício estava em relação com a importância da vítima.
Quando presenteamos alguém, escolhemos algo caro ou que agrade o presenteado, demonstrando o tamanho de nossa amizade e consideração.

O mesmo deviam fazer os homens ignorantes, com relação a Deus.


*************SACRIFÍCIO (IMOLAÇÃO) NA UMBANDA.**********

– Na Umbanda, não há sacrifícios de NENHUM tipo de animal em NENHUMA circunstância., se há NÃO É UMBANDA.

Com a vinda do Caboclo das 7 Encruzilhadas, em momento algum, deixou orientações que animais inocentes fossem sacrificados para agradar divindades, santos, orixás ou guias.

• Este ato é primitivo como citado acima e os espíritos mentores que trouxeram a umbanda estão longe de serem primitivos e ignorantes.

• Já não basta, nós seres encarnados sermos praticantes de sacrifico animal?

• Sustentando-nos de carne animal e assim causando derramamento de sangue em granjas e abatedouros pelo mundo inteiro, contribuindo com o Karma coletivo?

• Cadê as comidas de santo?

• Os pontos riscados e os ponteiros?

• Os descarregos de pólvora e os pontos de fogo?

• A utilização dos elementos da natureza (folhas, ervas, águas, sementes etc.)?

Onde foram parar as rezas fortes, os benzimentos, as giras com velas, os trabalhos realizados pela incorporação de entidades, que fazem suas mirongas utilizando vários objetos, sem que necessariamente exista como componente básico o derramamento de sangue?
• Cadê a força espiritual inenarrável dos guias e mentores?
O pior é que se formos bem mais a fundo em determinados casos, da para perceber que o uso indiscriminado do sacrifício de animais em alguns terreiros existe pelos seguintes pontos:

a) É um ritual que provoca um impacto no consulente;

b) É um rito complicado, que muitas vezes, envolve certa quantidade de outros materiais, na maioria das vezes comprado no terreiro, onde se está sendo feito o trabalho, a um custo muito superior ao de mercado;

c) É um rito que gera pagamento (em dinheiro) por corte (animal sacrificado);

d) E, por fim, as partes do animal sacrificado que não são usados, ficam geralmente para a casa, em vez de serem distribuídos para os mais carentes.

TEM GENTE ENRIQUECENDO COM ISTO, TEM GENTE QUE NÃO SABE FAZER MAIS NADA QUE NÃO ENVOLVA ESTE RITO, TEM QUE GENTE QUE SOMENTE ENCONTRA SOLUÇÃO DE ALGUMA COISA SE PRATICAR ESTE RITO ABOMINÁVEL E CRUEL.

Fica a pergunta:
-ISSO É EVOLUÇÃO?

2 comentários:

Jo de Iansã disse...

O processo de evolução é uma caminhada que cada um faz ao seu ritmo e a partir do momento que vamos evoluindo percebemos o quanto é ilusório e desnecessário comprometer outra vida em troca de um desejo, um pedido, em boa parte egoísta, "sem julgar ninguém".
Temos de sair do "EU" e se voltar para a humanidade num todo, "NÓS"... Precisamos acordar e perceber que a energia das ervas, da natureza, dos metais e minerais, do fogo, ar, água, terra, espirito e a força do amor no coração são energias suficientes para nos harmonizarmos com o sagrado, entidades da umbanda sem precisar de sacrifícios.
Um pedido externado com humildade e amor, uma chama acesa de uma vela, jamais deixará de ser atendido, pois a luz que vem nos socorrer vai olhar para dentro dos nossos corações e atender com o merecimento de cada um.
Olhai as sementes que espalhas no solo e saberás como será a colheita futura.

Michael Pagno disse...

Respeitamos e reconhecemos como legítimas as práticas de nossos irmãos dos cultos que praticam o sacrifício de animais, que tem sua validade e seus fundamentos, e mais, esta é a sua fé. Porém, lembramos que esta prática não pertence a Umbanda, e sendo esta Tenda de Umbanda, não praticamos tal ato ritualístico. Também concordamos contigo irmã Jo de Iansã, que tudo tem seu tempo.