quinta-feira, 21 de agosto de 2014

A profanação de túmulos e a Umbanda

Infelizmente, mais uma vez vemos a nossa Umbanda ser atacada por pessoas que nem ao menos se dão ao trabalho de investigar acontecimentos, para saber se foi João ou Pedro que realizou tal empreitada. Assim colocamos, pelo fato de mais uma vez o leigo(e até os pseudo religiosos, adeptos de não sei qual Umbanda e também denominações cristãs), por desconhecimento associar a Umbanda os fatos acontecidos no cemitério de Arroio do Sal, que teve túmulos profanados, quebrados, e despachos realizados a seus pés.
Nos cabe aqui, como representantes do segmento religioso Umbanda, tentar de alguma forma instruir, clarear, esclarecer o que é, o que faz, e como pensa a religião de Umbanda, na tentativa de desmistificar tantas bobagens que são pregadas em nome da religião.  Por ser nossa Tenda de Umbanda sediada em Arroio do Sal, e ver que muitos nos atacam, sem ao menos se dar ao trabalho de conhecer o que estão atacando, esclarecemos que a Umbanda, diferente de outras denominações de religiões afro-brasileiras, NÃO REALIZA TRABALHOS EM CEMITÉRIOS, COM PROFANAÇÃO DE TÚMULOS, E OUTRAS ABERRAÇÕES TAMBÉM VISTAS.
Apesar de ainda não ser uma religião codificada, e ter uma cartilha ritual a ser seguida por todos seus praticantes, existem pontos que esclarecem o que é Umbanda e o que não pertence a ela, sendo os mais importantes:

  • Umbanda é uma religião brasileira, sendo seu fundador o médium Zélio Fernandino de Moraes, que incorporou por via mediúnica o Caboclo das 7 Encruzilhadas, na noite de 15 de novembro de 1908, fundando a nova religião. Conta com toda estrutura de uma religião, independente de qualquer outra, tendo seus sacramentos próprios, corpo sacerdotal, nos diferenciando de "religiões de livro", o fato de nossa vinculação com o sagrado não se dar pelo batismo, e sim por iniciação. Umbanda é portanto, uma religião iniciática;
  • Os trabalhos dentro da Umbanda não ultrapassam as 22:00hs, quando muito pelo fato do grande número de carentes a procurar uma Tenda, seu trabalho se estenda até 22:30 ou 23:00hs, mas jamais chegando às 24:00 hs;
  • Umbanda é religião caritativa, não sendo permitido a cobrança de valores por todo ou qualquer serviço prestado por seus adeptos em tendas, centros, nem existindo a cobrança de dízimos;
  • A religião de Umbanda não se serve de sacrifícios de animais, matanças em cemitérios ou encruzilhadas. A Umbanda realiza em suas oferendas, a entrega de flores, frutos e alguns grãos cozidos ou crus, sempre utilizando da natureza de maneira consciente, tendo o cuidado de não poluir, evitando em suas oferendas a entrega de plásticos, vidros ou outras fontes poluidoras em matas, praias, pedreiras etc;
  • Temos em Jesus, a figura majestosa do mestre, que procuramos seguir em seus ensinos morais, de acordo com as explicações evangélicas contidas no "Evangelho Segundo o Espiritismo" de Allan Kardec, entendendo que não há o porque de nova interpretação pela Umbanda, o que já foi tão bem explicado pelos espíritos de luz, através de Kardec.
  • Somos uma religião monoteísta, pois cremos em um Deus único, por nós denominado Olorum ou Zambi, o supremo criador, não adorado em fetiche ou imagem de qualquer espécie, vendo nos Orixás e Guias da Umbanda, suas manifestações, ou seus mensageiros diretos.
  • O uso do tabaco e da bebida alcoólica em seus trabalhos se dá apenas de forma magística, onde os guias usam o álcool e a fumaça do tabaco numa ação de fixação e eliminação de fluídos, não sendo ingerida por seus médiuns, adeptos e simpatizantes.
  • Suas vestes principais são o branco, apenas utilizando outras vestes coloridas, em dias de festividades em honra as divindades.
Assim, colocamos alguns pontos cruciais dentro da religião de Umbanda, que nos diferenciam das demais religiões afro-brasileiras, que também são dignas de nosso maior respeito, assim como toda ou qualquer religião. Como bem coloca o Babalorixá Omolubá em uma entrevista sua ao Jornal ESOTERA¹:

"Historiadores e demais estudiosos afirmam que o papel da Religião é o de civilizar, frear, incentivar os bons costumes, dar esperanças, fazer promessas, enfatizar a bondade e assegurar uma vida melhor no presente e, até mesmo, após a morte física dos ser humano."
Mais adiante completa:
 "Assim deveria ser , mas não o é. Hoje, com raras exceções, elas (as religiões), são empresas de enriquecimento, multinacionais em sôfrega busca de lucro fácil,concorrendo entre si, englobando política, negócios e outros afazeres bem estranhos a um culto religioso. Estão completamente fora dos propósitos de origem. São os mercadores do Templo. Em vez de orientarem os seus fiéis para se libertarem de credos supersticiosos, buscarem a Verdade, conhecimento de si mesmo, por ordem na própria psique, eles,(padres, pastores, missionários etc.) ao contrário, perversamente, condicionam, atemorizam, amedrontam, hipnotizam e drogam o incauto buscador de amparo religioso.
Mas todos nós estamos cientes, de que o sofrimento, o conflito, a violência, a angústia e a dor são os parceiros constantes dos habitantes planetários, ressalvando-se, é claro, alguns momentos de prazer e alegria. A nossa amada Umbanda não foge á regra , mas deseja muito mais, deseja humanizar seus devotos. Daí, cônscios da própria natureza da religião dizermos que o seu papel primacial é o de despertar anseios de espiritualidade na criatura humana."
 Um fraternal saravá a todos.

1: Data da entrevista desconhecida. Fonte da mesma: Site da Casa Branca de Omolu 

Um comentário:

Anônimo disse...

Bom texto. Que permaneçam neste caminho. Saravá.