terça-feira, 28 de outubro de 2014

A Umbanda e o meio ambiente

Considerando-se o campo vibracional, existem locais que são de fato, inadequados para determinados trabalhos e oferendas. Áreas urbanas como calçadas, ruas, praças públicas e cemitérios entre outros, não favorecem aos trabalhos umbandistas. Além de causar desconforto a população leiga, contribui para a poluição da cidade, causando impacto e poluição visual. Salvo algumas excessões, o umbandista deve evitar oferendas em locais públicos, com o intuito, inclusive, de preservar seus frequentadores. Quando da necessidade de trabalhos externos a Tenda ou terreiro, devemos preferir áreas mais afastadas, de preferência zonas rurais.
Na fase atual do umbandista, ele volta-se mais para o terreiro, evitando exposição pública, mas passa a atuar presencialmente em audiências públicas, manifestações em prol da tolerância religiosa e demais atividades que deem visibilidade, projeção e conquista de espaço entre as demais religiões.
Em relação as oferendas, hoje muitas Tendas, incluindo a Tenda de Umbanda Xangô 7 Raios, adota um processo de Compostagem Orgânica. As oferendas, após o tempo mínimo de permanência no congá ou no altar, as frutas,  restos de comidas de santo, papel, folhas, são tratados neste processo biológico, onde os micro-organismos transformam a matéria orgânica num material semelhante ao solo, a que se chama composto, e pode ser usado como adubo, que é colocado no herbário localizado anexo a Tenda, no próprio terreno, onde plantamos as ervas utilizadas no culto aos Orixás e demais atividades ritualísticas. Possíveis plásticos e demais materiais utilizados nos ritos, são separados e encaminhados ao lixo seletivo.
Nas cachoeiras, matas, praias e demais áreas externas à Tenda, também ganham um olhar ecológico. Quando das obrigações realizadas nestes locais, após os trabalhos, permanecem ali somente frutas e flores, por não oferecerem riscos ao meio ambiente. São retirados garrafas de vidro, plástico entre outros itens não biodegradáveis.
A preocupação ambiental é de fato necessária, pelo fato de ajudar a propagar uma imagem menos preconceituosa em relação aos umbandistas, além de colaborar com a limpeza e preservação dos ambientes naturais.
A preservação ambiental tem sido uma luta constante entre ambientalistas e demais pessoas preocupadas com o futuro do planeta, e os umbandistas não podem ignorar este grande apelo ecológico.
VIOLÊNCIA A NATUREZA É VIOLÊNCIA AO ORIXÁ.
Um fraterno saravá a todos.

Nenhum comentário: