sábado, 22 de dezembro de 2018

Jogo de Búzios na Umbanda


Pai Ronaldo Linares
Existe uma afirmação corrente, principalmente aqui no Rio Grande do Sul, que NÃO SE JOGA BÚZIOS NA UMBANDA. Esta afirmação parte, principalmente da parte dos praticantes do Batuque, ou dos cultos de Nação. Recorremos aqui as palavras de uma, se não a maior autoridade religiosa da Umbanda, Pai Ronaldo Linares, em seu livro Jogo de Búzios, publicado pela Madras Editora:











“…os candomblecistas afirmam que a Umbanda não tem fundamento(e qual é o do Candomblé?).


Os candomblecistas afirmam ainda que A UMBANDA NÃO PODE JOGAR BÚZIOS, da mesma forma que proclamam que para se preparar corretamente para a missão mediúnica umbandista é preciso “FAZER CABEÇA” no Candomblé e, finalizando, houve até uma tentativa de negar as raízes africanistas da Umbanda, quando se tenta transformar o vocábulo Bundo, Umbanda, em OMH-BAN-DA, de origem védica sânscrita, transformando um simples culto de terreiro, mestiço como bom brasileiro, em algo hindu ou até mesmo pré-histórico.
…se podem as macumbas e os candomblés coexistirem na Umbanda, os búzios naturalmente também podem.
Entre o bairro carioca de Água Grande e o Mercado de Madureira encontramos oito vezes em placas, ostensivamente afixadas, a expressão “Joga-se Búzios” e, em todas elas, a identificação Tenda de Umbanda. Tentar negar que se jogam búzios na Umbanda é querer tapar o sol com a peneira…”
Tive a oportunidade de fazer este questionamento a outros pais e mães de santo com visões diferente da colocada aqui no Rio Grande do Sul, com terreiros no estado de São Paulo. A resposta que ouvi foi a seguinte:

– “Joga búzios na Umbanda quem sabe jogar.”

Invocar a tradição para falar que jogo de búzios é algo vetado a Umbanda, seria o mesmo que afirmar que o oráculo com búzios, por ser algo que foi levado para África, ou não ser originário do culto aos Orixás, (já existem escritores que falam isso) seria então vetado para praticantes do culto aos Orixás.

Bom, fato é que os búzios dentro da Umbanda existem, e quem somos nós para falar para o espiritual o que é correto ou errado. Na nossa humilde opinião, a Umbanda, por ser uma religião em aberto, não ter papas, codificadores, ou chefes maiores que ditem regras, salvo cada pai ou mãe espiritual dentro de seu terreiro, se expressa de uma maneira plural, algumas casas com uma Umbanda mais próxima da realidade judaico-Cristã, outras mais próximas do africanismo, mas nenhuma melhor que a outra, apenas mostrando que tudo é Umbanda, e se assim é, os Orixás permitem.

Um fraterno Sarava.

Nenhum comentário: