Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2019

Líderes de diferentes religiões prestam solidariedade a terreiro depredado

Saudações fraternas. A notícia não é recente, mas vale a pena a publicação, para refletir...
RIO - Com as paredes ainda chamuscadas, janelas despedaçadas e pedaços do piso quebrado espalhados pelo chão, o terreiro Pena Branca, em Cabuçu, Nova Iguaçu, serviu de sede para um encontro que celebrou a diversidade religiosa encontrada no Brasil. O espaço sagrado de candomblé, vítima de um ataque motivado por intolerância no último dia 8, recebeu, na manhã deste domingo, o padre Fabio de Melo; o babalaô Ivanir dos Santos, interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa; o antigo bispo mórmon, e atual membro da congregação, Iltamar Paiva; o bispo licenciado da Igreja Mundial Renovada e subsecretário de Direitos Humanos de São João de Meriti, Marcelo Rosa; e o advogado judeu Ricardo Brajterman. O templo é comandado pelo babalaô Sérgio Malafaia D'Ogum que, sim, guarda grau de parentesco com o pastor e presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, Silas Malafaia.

O encont…

Traficantes dão ordem para fechar terreiros na Baixada Fluminense

Último caso aconteceu na semana passada em Duque de Caxias, quando um criminoso exigiu o fechamento de vários terreiros na região. Comissão estima que em todo o estado cerca de 100 terreiros tenham recebido ameaças. Assista o vídeo:
https://globoplay.globo.com/v/7647281/


Os casos de intolerância religiosa têm aumentado no Rio de Janeiro e traficantes estão impedindo terreiros de umbanda e candomblé de funcionar. O último caso aconteceu na semana passada em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, quando um criminoso ordenou o fechamento de vários terreiros.

Relatos de testemunhas à polícia mostram que houve uma ação coordenada pra fechar terreiros na região, especialmente no Jardim Gramacho e arredores. Investigadores dizem que a Baixada concentra boa parte das ameaças registradas esse ano.

"Ningúem é maluco de peitar, foram 15 barracões, 15 babalorixás de nome, de respeito, que não vão poder mais ser cidadãos", disse uma das testemunhas.
Uma outra pessoa diz que os barracões for…